domingo, 28 de agosto de 2011

Livro: Julieta - Anne Fortier

SINOPSE:
"Julie Jacobs e sua irmã gêmea, Janice, nasceram em Siena, na Itália, mas desde os 3 anos foram criadas nos Estados Unidos por sua tia-avó Rose, que as adotou depois de seus pais morrerem num acidente de carro. Passados mais de 20 anos, a morte de Rose transforma completamente a vida de Julie. Enquanto sua irmã herda a casa da tia, para ela restam apenas uma carta e uma revelação surpreendente: seu verdadeiro nome é Giulietta Tolomei. A carta diz que sua mãe havia descoberto um tesouro familiar, muito antigo e misterioso. Mesmo acreditando que sua busca será infrutífera, Julie parte para Siena. Seus temores se confirmam ao ver que tudo o que sua mãe deixou foram papéis velhos – um caderno com diversos esboços de uma única escultura, uma antiga edição de Romeu e Julieta e o velho diário de um famoso pintor italiano, Maestro Ambrogio. Mas logo ela descobre que a caça ao tesouro está apenas começando. O diário conta uma história trágica: há mais de 600 anos, dois jovens amantes, Giulietta Tolomei e Romeo Marescotti, morreram vítimas do ódio irreconciliável entre os Tolomei e os Salimbeni. Desde então, uma terrível maldição persegue essas duas famílias. E, levando-se em conta a linhagem e o nome de batismo de Julie, ela provavelmente é a próxima vítima. Tentando quebrar a maldição, ela começa a explorar a cidade e a se relacionar com os sienenses. À medida que se aproxima da verdade, sua vida corre cada vez mais perigo. Instigante, repleto de romance, suspense e reviravoltas, Julieta – livro de estreia de Anne Fortier – nos leva a uma deliciosa viagem a duas Sienas: a de 1340 e a de hoje. É a história de uma lenda de mais de 600 anos que atravessou os séculos e foi imortalizada por Shakespeare. Mas é também a história de uma mulher moderna, que descobre suas origens, sua identidade e um sentimento devastador e completamente novo para ela: o amor."


É muito difícil falar desse livro... ou melhor, falar do tanto que AMEI esse livro. Sério, quando a gente gosta tanto nem tem palavras. Até então eu não tinha lido um livro que eu pudesse dizer que fosse o meu preferido, o mais incrível de todos, porque estavam todos mais ou menos no mesmo nível, e isso não é ruim, não mesmo, mas Julieta é simplesmente acima de qualquer padrão!

Essa é só minha humilde opinião, claro. Tem gente que pode dizer que nem foi lá essas coisas, mas não sei, pra mim, naquele momento em que o li (em uma semana e pouco: eu não tinha muita pressa de terminar, afinal, queria me deliciar devagar o quanto pudesse, para não acabar logo), e acho que em qualquer outro momento que eu o pegar para ler de novo, vou continuar achando que ele tem tudo o que um livro perfeito precisa ter. Vou listar aqui para vocês algumas das razões para ele ter sido tão maravilhoso.

A história se divide entre o passado e o presente. 1340, para ser mais exata, e os dias atuais. Ambos em Siena, na Itália. Na Toscana medieval a história gira em torno de uma Giulietta Tolomei que se apaixona por um Romeo Marecotti, vivendo as dificuldades de seu amor proibido, com a onipresente ameaça de Messer Salimbeni, o chefe de uma família que é inimiga da de Giulietta. São muitas intrigas, diálogos à moda antiga, bastante intensos, e conflitos que te deixam pregado na leitura até o fim do capítulo. 

Nas partes da história que se destinam aos dias atuais também temos uma Giulietta Tolomei, a protagonista que vai à Siena após a morte de sua tia-avó, motivada por uma carta-herança que lhe diz que sua mãe deixou um tesouro para ela. Mas é claro que as coisas são muito mais complexas do que isso, o mistério vai mais a fundo, e logo ela se vê em meio a histórias do passado, que de Shakesperianas têm pouca coisa, perseguições e uma suposta maldição antiga. Sem falar de um Salimbeni (Alessandro) muito charmoso, que pode ser - ou não - seguro amar. A todo momento desconfiamos de alguém, e então mudamos de ideia, e logo mudamos de novo! As pistas falsas surgem a toda hora e é isso o que faz a leitura tão intrigante e impossível de largar. Você se apaixona pelos personagens, pelo desenrolar dos acontecimentos, torce, torce muito para as coisas certas aconteçam...Você quer estar em Siena, quer conhecer Alessandro, quer achar o tesouro... Não quer que o livro acabe. 

Mas as quatrocentas e tantas páginas uma hora têm que chegar ao fim (tão rápido que você nem percebe). E não é uma série, acaba por aí. Mas esse foi apenas outro dos pontos positivos, pois estava sentindo falta de uma história tão completa, que começa e termina, e sem nenhum defeito. Anne Fortier acabou de se tornar uma das minhas autoras preferidas. Quero ser como ela quando crescer (hehe)! Quero ser capaz de escrever algo tão maravilhoso, tão embasado em fatos históricos, um romance tão encantador e com acontecimentos tão instigantes. Mas enquanto não posso fazer isso, me contento em ler romances desse tipo, e me deixar ser encantada. Não é difícil. Apenas pegue Julieta para ler e você vai entender do que eu estou falando...

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Livro: Lerulian - Dan Albuk

Hoje estou aqui para falar de um livro nacional. Trata-se do primeiro volume da série Lerulian, de Dan Albuk

Sinopse: A história de Lerulian ocorre em um tempo e espaço imaginário, um lugar inspirado no Planeta Terra e habitado por milhares de criaturas fantásticas.
O livro narra o conflito do jovem ferreiro Vaan Sorg, que do dia para a noite é obrigado a sair da Cidade dos Homens a mando do Rei Ulgul Aisen e encontrar, na Cidade de Gravelt, um rapaz chamado Axel Amagog. Ao longo do caminho o rapaz encontra o mercenário exilado Rus Kaisir, que cumprindo ordens do Rei lhe entrega um pacote secreto que não deveria ser aberto por nenhum motivo até chegarem em Gravelt.
Em pouco tempo, Sorg descobre que é uma peça essencial de um quebra-cabeça gigantesco, e nada é o que parece ser. É iniciada uma mortal corrida contra o tempo, onde uma espada decidirá quem irá ganhar ou perder. Alianças são formadas, cidades são destruidas e amizades são construídas ao longo do tempo.
Em breve uma guerra estourará, e uma épica luta por poder, vingança e liberdade começará a a ser travada pela província de Ilen-Hol.

"A Queda da Cidade dos Homens" foi lançado pela Novo Século, pelo selo Novos Talentos da Literatura Brasileira, e já está dando o que falar na Internet. E por que não? O livro tem tudo o que se espera de uma boa aventura medieval à la Tolkien: muita ação, perigos, seres fantásticos, magia (branca e negra), romance e, claro, uma peça poderosa que é a chave do conflito central. 

Esta é uma espada que leva o nome do livro (Lerulian), uma arma forjada pelos deuses para que Fal-Hal, o grande criador, pudesse presentear seu primogênito. Mas Val-Grahn, o primeiro filho, sucumbiu ao poder da espada, e esta foi partida em dois pedaços, que sumiram com o passar do tempo. Séculos depois, os homens acham uma das metades, mas a outra cai em mãos erradas.

O escolhido para levar a espada a um lugar seguro, o Templo dos Escolários, é Vaan Sorg, um jovem ferreiro, morador da Cidade dos Homens, que vê sua vida mudar quando acontecimentos estranhos, como o sumiço repentino de seus familiares e o surto violento de sua vizinha misteriosa, o obrigam a fugir e encontrar o Rei. Este logo lhe explica a tarefa que Sorg terá de cumprir, e em seu caminho, o rapaz vai encontrando pessoas que lhe ajudarão nessa jornada perigosa, cheia de desafios, alegrias, dores e companheirismo.

Tive meu primeiro contato com o livro quando tive meu primeiro contato com o Dan Albuk! rs
Dia 3 de julho, um domingo à tarde, houve um evento na Livraria Cultura de Brasília, chamado Fantasia na Cultura, em que compareceram o Jurassicast (eles fazem um podcast na internet. Confiram o site deles! www.jurassicast.com.br ), o Dan e a Vivianne Fair (queria ter falado com ela, mas ela teve que ir embora mais cedo...). Foi bem legal, um bate-papo em que foram apontados e discutidos com muito humor alguns livros e filmes de tema Fantasia. No final, comprei Lerulian e peguei um autógrafo do Dan. Então fui ler o livro, com ótimas expectativas e muito curiosa para conhecer mais um título desse gênero que eu adoro. 

Devorei rapidinho. A narrativa é bem fluida e te permite imaginar tudo detalhadamente mas sem ser exaustivo. Porque o problema com alguns livros dessa temática, como o próprio Senhor dos Aneis e Eragon, por exemplo, é o excesso de detalhes que vão tirando todo o seu pique para prosseguir na história. Aqui em Lerulian não temos esse problema, tudo acontece num ritmo ideal, as dificuldades deles durante a viagem parecem bem convincentes, há realmente sangue e cabeças rolando e ao mesmo tempo temos momentos suaves de um romance doce. Simpatizei bastante com os personagens, gostei muito do Rus e seus comentários espirituosos, do aprendiz de feiticeiro Axel (ele me lembrou o Presto, de Caverna do Dragão, com o seu chapéu), gostei  também da Hélora, a garota bonita (mas não indefesa) e do próprio Sorg. É um protagonista "real", se é que entendem; ele não é frouxo nem megacorajoso. Ele faz o melhor que pode com o que tem; gosto disso.

Enfim, só o que posso dizer mais é: se você curte literatura fantástica, leia Lerulian! Eu recomendo.

Ah, e se quiserem conferir o evento, veja mais AQUI.

Lerulian e Dan estão no Twitter: @Lerulian e @Dan_Albuk
E visitem o site oficial do livro: www.lerulian.com.br

terça-feira, 9 de agosto de 2011

TOP 5: Filmes em Roma

Olá, gente! Demorei mas apareci!

E hoje venho com mais um TOP 5. Hoje o tema é filmes em Roma. Por quê? Bom, porque esse mês faz um ano que visitei a linda capital italiana e estou morrendo de saudades (ainda mais porque fiquei essas férias inteiras em casa). Então, nada melhor do que relembrar com um bom filme ambientado na Bella Roma, para todos poderem viajar um pouquinho, sem sair do sofá, não é mesmo?

Só para adiantar aqui, a classificação de hoje é meio subjetiva, porque são filmes com temáticas bem diferentes, então os critérios que eu vou adotar não serão relacionados ao "melhor" filme, e sim aos que mais deixam os olhinhos brilhando... na minha opinião :)

1. Férias em Roma 

SINOPSE: As irmãs Charli (Mary-Kate Olsen) e Leila (Ashley Olsen) ficam muito felizes quando conseguem seu primeiro trabalho como estagiárias em uma multinacional de moda de Roma.
Muito empolgadas, as duas mal conseguem esperar para conhecer cada canto da cidade histórica. Mas imediatamente depois de serem contratadas, as duas acabam despedidas.
O porquê, ninguém sabe. Charli e Leila decidem então investigar por que ficaram desempregadas. Enquanto isso, porém, elas acabam realizando seu plano inicial e conhecem todos os pontos turísticos da cidade: A Fonte de Trevi, O Coliseu e muitos outros.

Comentários: O filme das gêmeas Olsen é divertido e mostra o quanto pode ser um sonho estar naquela cidade perfeita com sua irmã, um grupo de outros adolescentes e mesmo com um trabalho a ser feito, aproveitar cada minuto. 
Assim que é anunciado na Sessão da Tarde, já digo "opa, vou ver!", porque, afinal, é um gostoso passatempo.


2. Lizzie McGuire - Um Sonho Popstar

SINOPSE: Lizzy McGuire (Hilary Duff) e seus amigos Gordo (Adam Lamberg), Kate (Ashlie Brillaut) e Ethan (Clayton Snyder) estão em plena excursão escolar à Itália. Em um dos passeios Lizzy é confundida com Isabella, uma cantora pop local muito popular. Adorando a confusão, Lizzy resolve aproveitar e se divertir com a fama repentina, apaixonando-se por Paolo (Yani Gellman), ex-namorado de Isabella e que também é um cantor de sucesso.

Comentários: Esse filme da Hillary Duff também é imperdível num dia à tarde à toa em casa na TV aberta. Só não gosto do fato de ela gostar daquele amigo dela (gente, ele é muito menor do que ela, em tamanho e idade!) 
O filme mostra partes bem famosas de Roma, como a Fontana de Trevi (que é mesmo MUITO linda).


3. Sabrina vai a Roma


SINOPSE: Em Roma, Sabrina fica fascinada com o verdadeiro "museu" que a cerca e volta ao passado de feiticeira, aprontando muitas situações cômicas, românticas e sentimentais.


Comentários: Outro clássico da Sessão da Tarde, igualmente imperdível. Compras, magia e aventuras irreais na bela cidade italiana.





4. Comer Rezar Amar.

SINOPSE: Elizabeth (Julia Roberts) descobre que sempre teve problemas nos seus relacionamentos amorosos. Um dia, ela larga tudo, marido, trabalho, amigos, decidida a viver novas experiências em lugares diferentes por um ano inteiro. E parte para a Índia, Itália e Bali, para se reencontrar numa grande viagem de auto conhecimento.


Comentários: Adorei esse filme (mais do que os de cima). Ele só está aqui embaixo porque seu trecho em Roma é limitado, e afinal, o ranking é sobre isso.
Fiquei bastante empolgada quando vi os lugares no filme e pensei "não acredito que estive aí!" Por exemplo, esse banco em que ela está na foto ao lado é na Piazza Navona, um lugar tão perfeito! Cheio de fontes com estátuas e rodeado de restaurantes lindos.
"Comer Rezar Amar" está aqui embaixo, mas ele é o que mais retrata a REALIDADE romana, as pessoas, a comida... tudo. Eu só não pude colocá-lo em primeiro porque, bem... seria injustiça, já que Nova York, a Índia e Bali também são estrelas aqui.


5. Anjos e Demônios

 
SINOPSE: O professor de simbologia Robert Langdon (Tom Hanks), depois de decifrar o código DaVinci, é chamado pelo Vaticano para investigar o misterioso desaparecimento de quatro cardeais. Agora, além de enfrentar a resistência da própria igreja em ajudá-lo nos detalhes de sua investigação, Langdon precisa decifrar charadas numa verdadeira corrida contra o tempo porque a sociedade secreta por trás do crime em andamento tem planos de explodir o Vaticano.


Comentários: No quinto filme dessa lista não falamos de amor, autodescoberta ou coisas assim. Temos é tensão, adrenalina, mistério e assassinato. Uma abordagem de Roma e o Vaticano bem diferente das anteriores. Gostei bastante do filme, me prendeu do começo ao fim, e não pude deixar de pensar, enquanto estava na Piazza San Pietro, no Vaticano, que me encontrava no cenário daquela cena em que Robert Langdon vasculha o chão e olha as estátuas dos pilares à procura de sua pista, quando logo a menininha grita ao ver aquele corpo no chão...


Há um filme chamado "Quando em Roma", mas ele não está aqui porque ainda não assisti. Alguém já viu? É bom? Com certeza verei!
Ah, e se ainda não enjoou da Italia, e quer ver umas fotos, acabei de criar meu Flickr (finalmente organizei essas fotos, depois de um ano! Preguiça é um caso sério...) Entrando AQUI.
Amo fotografia, amo tudo relacionado às artes, na verdade. Então, já que estou fazendo minha propaganda artística mesmo (rsrs), vou colocar meu DeviantArt AQUI, se alguém se interessa por desenhos.

Arrivederci!